• Agrobid

Brasil exporta 159 mil toneladas de carne e bate recorde

Conflito entre a Rússia e a Ucrânia não trouxe, até o momento, grandes impactos para o setor

O volume de carne que saiu dos portos brasileiros chegou a mais de 159 mil toneladas. (Foto: Unsplash)
O volume de carne que saiu dos portos brasileiros chegou a mais de 159 mil toneladas. (Foto: Unsplash)

As exportações de carne bovina do Brasil bateram recorde pelo 2º mês consecutivo. Em fevereiro, o volume embarcado chegou a 159 mil toneladas. O conflito entre a Rússia e a Ucrânia não trouxe, até o momento, grandes impactos para a pecuária bovina nacional. Apesar da Rússia já ter sido, em 2014, o maior destino da proteína brasileira, o país eslavo reduziu as importações desde então.


Exportação

O volume que saiu dos portos brasileiros chegou a mais de 159 mil toneladas, sendo uma alta de 55,8% sobre o montante embarcado no mesmo período do ano passado. A tendência é que os embarques de carne bovina se mantenham aquecidos pelos próximos meses, com vendas mensais superando a marca das 140 mil toneladas. Em relação ao faturamento, foram mais de US$ 889 milhões arrecadados em fevereiro deste ano, sendo um aumento de 91,9%.


Importações da Rússia

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), foram mais de 35 mil toneladas de carne bovina embarcadas à Rússia em todo o ano de 2021. O volume embarcado representou apenas 1,92% do total exportado pelo Brasil no ano passado, sendo 40,1% inferior ao exportado em 2020. De 2019 para 2020, os russos diminuíram as aquisições em 4,8%.

Relações comerciais

Evidentemente, as vendas brasileiras à Rússia poderiam até voltar a se aquecer neste ano, principalmente diante da aproximação comercial entre os dois países. Agora, a maior preocupação dos agentes nacionais refere-se aos fertilizantes, tendo em vista que a Rússia é um dos maiores fornecedores deste insumo ao Brasil. Esse cenário pode, por sua vez, elevar os custos de produção da pecuária nacional.


Grãos

Outro fator de influência deste conflito é sobre os preços dos grãos. A Rússia e a Ucrânia estão entre os maiores produtores mundiais de trigo, mas com relevância ainda mais expressiva na oferta de excedentes para transações externas. Com a guerra, os preços internacionais do trigo dispararam, influenciando também os valores de outros grãos, como milho e soja, que são bastante utilizados na pecuária brasileira.

Animais para abate

Em meio a esse cenário, os preços do boi gordo até oscilaram ao longo do mês de fevereiro, mas se mantiveram acima dos R$ 330, segundo o indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). No acumulado do mês, o indicador registrou ligeira queda de 0,22%, encerrando o período a R$ 343. Os valores seguiram sustentados pela oferta baixa de animais para abate e pela demanda externa aquecida, sobretudo por parte da China.


Dados do Cepea

O valor médio da carcaça casada bovina foi de R$ 21,46/kg em fevereiro, sendo 0,33% acima do registrado em janeiro, mas 2,3% inferior ao de fevereiro do ano passado, em termos reais. Na contramão do boi gordo e da carne, o bezerro negociado em Mato Grosso do Sul, que teve média de R$ 2.854,01/cabeça em fevereiro, registrou quedas de 1,83% na comparação mensal e de fortes 9,33% na anual. Quanto ao boi magro, de 12 arrobas, teve média de R$ 4.120,29/cabeça no estado de São Paulo, recuos de 0,65% frente à de janeiro/2022 e de expressivos 13,35% em relação à de fevereiro/2021. Ambos em termos reais. A menor desvalorização do boi gordo confirma o cenário que vem sendo observado ao longo dos últimos anos, sobretudo nos últimos 12 meses, quando houve uma busca pela intensificação da produção.


Oportunidade

Pensando em investir em máquinas agrícolas? Clique aqui e confira as opções de tratores e implementos disponíveis no nosso marketplace.



1/105