• Agrobid

Carne premium: saiba como vender, lucrar e apreciar esse produto

Demanda crescente por carne de excelência tem desenvolvido a criação de Angus no Brasil

Um homem segura um pedaço de vazio, carne premium utilizada para churrascos de origem Angus
Restaurante 20BARRA9 utiliza carnes premium para lanches, churrascos e outros pratos | Foto: Instagram/20BARRA9

O Brasil é o maior exportador de carne e tem um dos maiores rebanhos do mundo. Apesar de grande parte das carnes serem vendidas como commodities, as carnes premium estão ficando famosas e atraindo cada vez mais consumidores nacionais e internacionais. Essa novidade pode ajudar a diversificar a bovinocultura de corte e, claro, pode ser uma bela oportunidade de aumento de lucro para o pecuarista.


Você sabe o que é carne premium? Como ela é produzida? E como esse produto pode ser bem apreciado no churrasco? Essas e outras questões foram tema de um Papo de Agro, que contou com a participação do sócio-proprietário da Cabanha Rincon del Sarandy e criador de Angus, Ignácio Tellechea, com o sócio do restaurante de churrasco 20BARRA9 e sócio-proprietário do Rincon del Sarandy, Martin Tellechea e Lorena Lacava, médica veterinária que hoje atua como chef de cozinha com foco em carnes.


Angus: a raça produtora de carne premium

A fazenda Rincon del Sarandy seleciona gado Angus e Brangus desde 1996 com esse nome, mas a história da família Tellechea na criação da raça começou muito antes, em 1943, com a Cabanha Paineiras. Suceder familiares pioneiros no manejo de raças britânicas no Brasil não é tarefa fácil, mas Ignácio e Martin levam o trabalho muito a sério e, a cada ano, se empenham mais em promover melhoramento genético e bom desenvolvimento do gado Angus a pasto e no confinamento. “Temos um programa de certificação da raça, que é o Promebo. Com ele, identificamos os animais mais capacitados a campo e podemos sempre manter uma seleção de qualidade no rebanho”, explica Ignácio.


Para o irmão, Martin, que trabalha na ponta da cadeia produtiva da carne Angus, a demanda crescente por carnes premium só mostra que todo o trabalho de Ignácio e de tantos outros bons criadores da raça, lá na fazenda, está dando muito certo. “Saímos de dois anos de pandemia com dois restaurantes, então essa retomada está sendo um desafio. Mas, o que vemos é que essa demanda por carne premium não para de crescer. Tanto nós como os consumidores e clientes estão mais exigentes”, diz Martin.


Como produzir carne premium?

Um bom pecuarista deve saber que o seu trabalho é um trabalho de longo prazo. Por isso, cada detalhe conta na hora de saber administrar uma fazenda e um rebanho. Para Ignácio, é muito importante que o produtor “conheça o seu sistema e saiba o que dá para tirar dele”. Por isso, fazer um bom planejamento, avaliar o tamanho da propriedade, as condições do pasto e o tamanho do rebanho são tarefas muito importantes.


Para Martin, o maior desafio do pecuarista hoje é “aumentar a produção aumentando também a área de pastejo”. Mas, mesmo com uma demanda tão crescente, Ignácio garante que, no Brasil, é possível produzir mais com as terras que já temos. Para ele, técnicas da pecuária como o cruzamento industrial estão ajudando a suprir essa demanda, que é sobretudo interna. “No último ano, a raça Angus foi a que mais vendeu sêmen para cruzamento, superando até mesmo o Nelore. Nosso mercado consumidor interno acaba absorvendo a maior parte desses produtos, mas claro que o mercado de exportação também está aquecido e já é significativo para nós”, ressalta.


No churrasco, que diferença faz comer carne premium?

Lorena Lacava tem formação em medicina veterinária e chegou a trabalhar na profissão por 12 anos, mas o talento para cozinhar sempre esteve presente. Decidiu fazer faculdade de gastronomia e, com o conhecimento em proteínas e boas práticas animais, tornou-se referência na área ainda em sala de aula. Fundou o Churras das Gurias, um grupo que dá destaque e lugar a mulheres churrasqueiras no Sul do Brasil. “Acabei mudando minha área profissional, mas a minha experiência como veterinária me deu respaldo para trabalhar bem com o churrasco”, lembra Lorena.


Para ela, a carne de qualidade e especialmente das raças britânicas trazem qualidades diferenciadas para a mesa do consumidor. “No meu restaurante, aqui no Paraná, trabalho apenas com a carne Angus, porque sei que assim tenho uma garantia de padronização, uma carne sempre de boa qualidade. Trabalho com uma cooperativa da raça, que fornece as carnes para restaurantes aqui da região”, destaca.


O grupo Churras das Gurias percorre eventos e campeonatos de churrasco nacionais e internacionais e, em julho, deve participar do 1ºCampeonato Mundial de Assadores Ancestrais em Medellín, na Colômbia.


Pensando em investir em máquinas agrícolas? Confira as opções disponíveis aqui no Agrobid Marketplace!



1/78