• Agrobid

La Niña: fenômeno continua nos próximos meses

Com fraca intensidade, fenômeno não deve afetar o retorno das chuvas nas áreas produtoras do Brasil

O fenômeno La Niña deve se manter nos próximos meses, segundo a consultoria Rural Clima.  A Temperatura da Superfície do Mar (TSM), na região central do Pacífico Equatorial, ainda está em torno de um grau mais frio do que o normal, o que mantém o La Niña com fraca intensidade, porém ativa. A perspectiva, de acordo com os últimos dados divulgados pelos centros meteorológicos mundiais, é que o sistema continue nos próximos meses, ainda com anomalia média nesse patamar.  A consultoria explica que quando o fenômeno é fraco, a atuação do Atlântico e de outros índices de teleconexão – como a Oscilação Antártica e a Oscilação Madden Julian – se tornam importantes. O Atlântico segue quente, próximo à costa do Norte e do Nordeste e o Pacífico Tropical Norte segue mais frio do que a média. Se essas condições se mantiverem assim, as chuvas nas regiões produtoras do Brasil devem retornar no período normal.    Confira a previsão de chuvas às áreas produtoras do Brasil nos próximos dias:   Bahia e Piauí: Tempo segue aberto sobre as regiões produtoras do Piauí e da Bahia. No litoral do Nordeste, a tendência é de redução das chuvas.  Maranhão, Pará e Tocantins:  Tempo segue aberto sobre as áreas produtoras dos três estados ao longo desta semana.  Rondônia, Mato Grosso e Goiás: O início da semana será marcado pela possibilidade de ocorrência de algumas chuvas irregulares sobre áreas de Rondônia, região oeste e sul de Mato Grosso e sul/sudoeste de Goiás. A frente fria que avança pelo Sul e Sudeste do Brasil, deverá ter amplitude para chegar a essas áreas, provocando algumas chuvas irregulares. Condição que traz certa preocupação aos produtores que estão colhendo algodão, devido a possibilidade de perdas de qualidade das plumas, bem como aos produtores de milho, que estão mantendo os grãos expostos à céu-aberto. A tendência é que essas chuvas possam ocorrer até meados desta semana.   Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo: O início da semana será marcado por chuvas sobre áreas do Sudeste – principalmente sobre SP. Em MG, essas chuvas deverão ocorrer mais restritas às áreas do sul do estado e Triângulo Mineiro. Há possibilidades para algumas chuvas também sobre o Rio de Janeiro. No Espírito Santo a tendência é que os próximos dias ainda sejam marcados pelo tempo mais aberto.  Mato Grosso do Sul: A frente fria que avança pelo Sul e Sudeste neste início de semana, também irá provocar chuvas sobre grande parte das áreas produtoras de Mato Grosso do Sul, principalmente na região sul do estado, beneficiando o início dos preparos de solo/dessecação para o início da próxima safra.  Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná: O início da semana deverá ser marcado por boas chuvas sobre as áreas produtoras de SC e PR, incluindo a região mais norte do estado paranaense. A condição irá beneficiar a elevação dos níveis de umidade do solo em áreas produtoras de trigo. Já no RS, a tendência é de tempo mais nublado, e com possibilidades de chuvas.   Pensando em investir em máquinas agrícolas? Confira as opções disponíveis no Agrobid Marketplace!
La Niña não deve afetar início da Safra brasileira.

O fenômeno La Niña deve se manter nos próximos meses, segundo a consultoria Rural Clima. A Temperatura da Superfície do Mar (TSM), na região central do Pacífico Equatorial, ainda está em torno de um grau mais frio do que o normal, o que mantém o La Niña com fraca intensidade, porém ativa. A perspectiva, de acordo com os últimos dados divulgados pelos centros meteorológicos mundiais, é que o sistema continue nos próximos meses, ainda com anomalia média nesse patamar.


Além do La Niña, quais são os outros fatores que podem afetar o clima?

A consultoria explica que quando o fenômeno é fraco, a atuação do Atlântico e de outros índices de teleconexão – como a Oscilação Antártica e a Oscilação Madden Julian – se tornam importantes. O Atlântico segue quente, próximo à costa do Norte e do Nordeste e o Pacífico Tropical Norte segue mais frio do que a média. Se essas condições se mantiverem assim, as chuvas nas regiões produtoras do Brasil devem retornar no período normal.


Confira a previsão de chuva para as áreas produtoras do Brasil nos próximos dias:

Bahia e Piauí: Tempo segue aberto sobre as regiões produtoras do Piauí e da Bahia. No litoral do Nordeste, a tendência é de redução das chuvas.


Maranhão, Pará e Tocantins:

Tempo segue aberto sobre as áreas produtoras dos três estados ao longo desta semana.


Rondônia, Mato Grosso e Goiás: O início da semana será marcado pela possibilidade de ocorrência de algumas chuvas irregulares sobre áreas de Rondônia, região oeste e sul de Mato Grosso e sul/sudoeste de Goiás. A frente fria que avança pelo Sul e Sudeste do Brasil, deverá ter amplitude para chegar a essas áreas, provocando algumas chuvas irregulares. Condição que traz certa preocupação aos produtores que estão colhendo algodão, devido a possibilidade de perdas de qualidade das plumas, bem como aos produtores de milho, que estão mantendo os grãos expostos a céu aberto. A tendência é que essas chuvas possam ocorrer até meados desta semana.


Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo: O início da semana será marcado por chuvas sobre áreas do Sudeste – principalmente sobre SP. Em MG, essas chuvas deverão ocorrer mais restritas às áreas do sul do estado e Triângulo Mineiro. Há possibilidades para algumas chuvas também sobre o Rio de Janeiro. No Espírito Santo a tendência é que os próximos dias ainda sejam marcados pelo tempo mais aberto.


Mato Grosso do Sul: A frente fria que avança pelo Sul e Sudeste neste início de semana, também irá provocar chuvas sobre grande parte das áreas produtoras de Mato Grosso do Sul, principalmente na região sul do estado, beneficiando o início dos preparos de solo/dessecação para o início da próxima safra.


Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná: O início da semana deverá ser marcado por boas chuvas sobre as áreas produtoras de SC e PR, incluindo a região mais norte do estado paranaense. A condição irá beneficiar a elevação dos níveis de umidade do solo em áreas produtoras de trigo. Já no RS, a tendência é de tempo mais nublado, e com possibilidades de chuvas.


Pensando em investir em máquinas agrícolas? Confira as opções disponíveis no Agrobid Marketplace!



1/91