• Agrobid

“O agricultor vai produzir o seu próprio biocombustível”

No Papo de Agro, Fred Olivi fez uma projeção para o mercado de máquinas agrícolas

Trator, foto via iStock
Foto via iStock

O Agrobid estreou, nesta quinta-feira, dia 16, o “Papo de Agro”. A live, a primeira do projeto a ser realizada pelo Instagram, contou com a presença de Fred Olivi, jornalista especializado em agronegócio. Com quase 30 anos de carreira atendendo ao público do agro, Fred conhece como poucos o setor de máquinas agrícolas. Hoje, o apresentador do quadro “Agricultura Sustentável” do programa Tempo e Dinheiro, no portal Notícias Agrícolas, carrega uma trajetória no campo e na estrada repleta de histórias que serão compartilhadas nos próximos encontros virtuais do “Papo de Agro”.


DNA no Jornalismo - Fred tem no pai, o jornalista João Batista Olivi, a grande referência profissional. Convivendo e correndo pelas redações desde a infância, Fred conta que, assim como o pai, sempre teve o desejo de trabalhar com a imprensa voltada ao público do agro, de forma precisa e que atendesse bem as necessidades deste setor. “O produtor rural precisa ter informação para produzir mais, e havíamos percebido que não havia essa condição antes”, disse. Há 25 anos, inspirado em um trabalho de conclusão de curso da faculdade, nasceu o veículo Notícias Agrícolas. Fred ainda conta que o irmão Jonas é um fã de automobilismo e que eles gostavam de ver programas de TV sobre o universo automotivo, como o “Auto Esporte”, exibido pela Rede Globo. Então surgiu a ideia de criar conteúdo audiovisual sobre os “carros do campo”, ou seja, as máquinas agrícolas. Anos depois veio a ideia do programa “Marcas e Máquinas”.

Arquivo pessoal - Fred Olivi, jornalista especializado em agronegócio
Arquivo pessoal - Fred Olivi

Mercado aquecido - O ano de 2021 foi um ano de sucesso para o setor de máquinas agrícolas. Desde 2018 vem batendo recorde de vendas. Nos últimos 15 anos, o mercado vem crescendo, pois as grandes áreas estão ficando mais ativas. O produtor rural precisa de máquinas maiores para dar conta do manejo em janelas que estão cada vez menores, seja por condições climáticas ou até por condições de produção. “O produtor rural brasileiro tem a graça de poder fazer até 5 safras no período de 2 anos. Em março, você vai encontrar pelo Brasil a colheitadeira colhendo a soja e o trator já fazendo o milho safrinha”, afirma. “As máquinas têm um poder de atendimento à nossa economia que é fantástico”, complementa.


Tecnologia - “O que movimenta, em termos de tecnologia, esse mercado tão importante? O trator. Você pode ter a melhor semente do mundo ou melhor fertilizante, melhor estrutura de financiamento, mas não adianta se o trator não fizer a parte primária. O que movimenta a economia do Brasil? O trator”, ressalta.


Oportunidade - Em termos de números, o mercado este ano vai ser 40% maior que o do ano passado. Essa tendência realmente se projeta, mas nós passamos por um período que é estranho, inclusive. Todo o setor automobilístico passa por isso, que é a elevação enorme nos valores, a alta demanda e a escassez desse equipamento. “O Agrobid se propõe a comercializar máquinas seminovas no momento que o mercado brasileiro necessita desse serviço, justamente porque em muitas concessionárias, o prazo para entregar máquinas novas está além do que seria necessário”, comenta Fred.


Seminovos - “Então, o produtor vai buscar no mercado o seminovo para suprir a sua produção. Se você olhar para as grandes regiões de produção agrícola, está havendo um acréscimo na produção em área produzida ano após ano. Estamos no limiar de atingir 300 milhões de toneladas de grãos. Tudo isso pela performance das máquinas. Por causa da pandemia e da escassez de matéria prima e componentes, as fábricas muitas vezes não estão dando conta de entregá-las e as revendas utilizam o seu espaço de parque de seminovas ou vão atrás desses agricultores que querem transacionar. Eu acho que o Agrobid vem para criar essa ponte importante, onde a gente pode acessar o site e encontrar a melhor opção e vem atender essa demanda que é crescente ano após ano”, analisa.


Biocombustível - Em termos de tendência, Olivi acredita que as coisas vão evoluir cada vez mais para as conexões das máquinas e também para a sustentabilidade promovida com o equipamento. Como exemplo, ele cita o trator movido a biometano, da New Holland Agriculture.


“Dentro da própria fazenda, você pode produzir o combustível do seu trator através dos dejetos dos animais. Através dos dejetos, o produtor vai poder transformar em gás para parte elétrica da sua fazenda e combustível para o trator. Quem sabe até para o seu carro?”

Para reforçar essa ideia, Olivi fala sobre um projeto da Usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu, no Paraná, onde todos os carros que circulam dentro da usina são movidos a gás biometano.


Tendência - O setor promete muitos lançamentos e revoluções tecnológicas para o campo. O mercado vem crescendo, mas a pandemia interrompeu os eventos de máquinas agrícolas, onde o setor acompanha os lançamentos. “Nos últimos anos, eu não percebi uma grande novidade, em termos de tecnologia. O que nós estamos observando é que estamos aumentando a cavalagem das máquinas e estamos atendendo um mercado que precisa tracionar colheitadeiras que precisam ter uma necessidade de colheita mais ágil”, disse. Em termos de tecnologia, essas máquinas não são apenas motoras, elas são de tecnologia embarcada e com conexão ao produtor. “Em breve, tendo internet 5G no mercado urbano e 4G com capilaridade no setor agro, o que nós vamos ver são as máquinas tendo cada vez mais um serviço autônomo'', projeta.


Dicas - Confira as opções de máquinas agrícolas disponíveis no Superbid Marketplace.



1/57