• Agrobid

Superbid potencializa oportunidades de negócio

Plataforma para transações seguras de bens usados renova sua marca e consolida-se como Exchange



Quem quer vender ou comprar um bem de capital usado - imóvel, carro, embarcação, eletrodoméstico, máquina agrícola ou industrial, entre outras possibilidades - tem a Superbid como o ambiente ideal para uma transação segura e regulada, com muita praticidade e agilidade. Maior intermediadora de ativos da América Latina, a plataforma mantém uma média próxima a 3 mil novas ofertas por semana, com movimentação anual em torno de R$ 4 bilhões.


Criada há 23 anos, a empresa dá sequência ao seu processo de evolução, sempre marcado pelo pioneirismo e pela inovação. Ao consolidar-se como um ambiente de trade para operações de compra e venda de ativos únicos, com valores definidos com base no que o mercado aceita pagar, a empresa assume a partir de agora a denominação Superbid Exchange.


Com a atualização da identidade visual, todas as unidades de negócio passam a adotar o nome Superbid na arquitetura e na linguagem da marca. "Isso melhora a experiência dos clientes, pois torna mais simples a percepção de outros serviços com o mesmo nível de segurança e governança conquistado pela plataforma de negociação", explica Pedro Donati, VP de Plataforma da Superbid.


Gama de serviços do Superbid Exchange

A empresa foi criada em 1999 para atuar em um nicho que dava os primeiros passos no Brasil: o mercado de leilões online. "No início da sua trajetória, a Superbid transformou o mercado de leilões, até então restrito ao ambiente presencial", lembra Donati. "Levamos esse mercado para o ambiente online, criamos um marketplace e nos consolidamos ao longo dos anos como um espaço confiável para realizar essas transações."


Agora, mais do que um ambiente de leilões ou um marketplace, a Superbid se estruturou como trade - ou seja, utiliza uma interface tecnológica de alta qualidade para conectar compradores (takers) e vendedores (makers). "Disponibilizamos uma completa gama de serviços de alta governança para transações online. Mudamos a lógica de liquidação de ativos usados e nos tornamos um ambiente de negociação, com base em oferta e demanda, assim como as exchanges", descreve o executivo.


Assim, enquanto marketplaces têm a função básica de aproximar compradores e vendedores, uma exchange vai além desse papel, ao estabelecer processos rigorosos de análise e aprovação das partes envolvidas na negociação. Todas as transações ocorrem dentro da plataforma, com pagamento realizado por meio de uma conta digital exclusiva, com transparência, praticidade e segurança.


Lógica de bolsa

Ao contrário do que ocorre em um marketplace, onde o vendedor define o preço e lista sua oferta, numa exchange os takers concorrem por itens oferecidos pelos makers. Essa concorrência define o preço que o mercado aceita pagar por aquele item único. Mesmo quando os makers oferecem itens em modelo de compra direta, há um fluxo específico para que os takers apresentem contrapropostas. Esse conjunto de características torna a dinâmica da plataforma comparável à do mercado de capitais, pois aproxima quem quer captar dinheiro de quem pretende investir. E o processo de negociação é semelhante ao de uma bolsa de valores, onde ninguém precisa se preocupar se quem vai vender a ação realmente possui essa ação ou se quem vai comprar tem o valor necessário, porque é a bolsa que garante as regras do jogo. Esse mesmo papel é cumprido pela Superbid como Exchange.


Paulo Scaff, VP de Serviços, Ricardo Fajnzylber, VP de Superbid Pay, Rodrigo Santoro, CEO, e Pedro Donati, VP de Plataforma. Foto: Wanezza Soares/ Estadão Blue Studio
Paulo Scaff, VP de Serviços, Ricardo Fajnzylber, VP de Superbid Pay, Rodrigo Santoro, CEO, e Pedro Donati, VP de Plataforma. Foto: Wanezza Soares/ Estadão Blue Studio

ENTREVISTA | Pedro Donati, VP de Plataforma da Superbid


'Estamos focados em ser o melhor lugar para makers liquidarem bens'


Os 23 anos de existência da Superbid sempre foram permeados por inovação. Da criação como solução para leilões online até o novo reposicionamento como ambiente de trade para operações de compra e venda de ativos, a empresa sempre usou a internet e a tecnologia disponível para dar visibilidade e acesso a todos. Pedro Donati, VP de Plataforma da Superbid, detalha a seguir essa trajetória.


Como o mercado de transação de ativos usados evoluiu até chegarmos ao momento atual?


Liquidar ativos é uma necessidade de empresas e instituições de todos os portes, desde as maiores corporações do País até a padaria da esquina. É uma questão que sempre existiu e vai continuar existindo em qualquer tipo de negócio. Quando a Superbid nasceu, em 1999, transformou esse mercado. Antes os eventos eram restritos a quem sabia onde eles ocorreriam e estava fisicamente próximo. A Superbid usou a internet para dar visibilidade e acesso a todos. O resultado foi percebido e, hoje, quase 90% das maiores empresas do Brasil são nossas clientes.


Mais de 20 anos depois, nossa vida está quase inteiramente online, agenda que se acelerou durante a pandemia. Com mais processos digitalizados e mais transações pela internet, muitos segmentos de mercado passaram a usar tecnologia para liquidar seus ativos. De empresas leiloeiras a concessionárias automotivas, fazer negócios digitalmente é parte natural de fazer negócios.


É neste ambiente que nos tornamos uma exchange. Uma plataforma com serviços e pagamento que valida compradores e vendedores, entrega os mecanismos de venda mais eficazes, conecta as ofertas com a audiência interessada nesses ativos e cuida de todo o ciclo financeiro, reforçando a confiança entre as partes.


A Superbid já nasceu digital e sempre criou tendências de mercado. O que a atualização da marca diz sobre a visão de futuro da empresa?


De fato, nascemos inovadores e continuamos inovando. Acreditamos que, ao mesmo tempo que executa seu modelo presente de negócio, toda organização precisa desenvolver novas capacidades. Nosso novo posicionamento amplia as alternativas de capital para as empresas, oferece diversidade de ativos únicos aos investidores e reforça a disponibilidade de espaços confiáveis, auditáveis, eficientes e escaláveis para essas transações.


A atualização da marca tem relação direta, também, com o nosso entendimento de que a internet está mudando, saindo de um modelo em que cada pessoa conectada gera valor dentro de plataformas para uma internet descentralizada. Nesse novo modelo, cada um contribui e é remunerado em suas wallets graças a ambientes tecnológicos que possam garantir a confiança das transações entre as partes, papel que se torna cada vez mais essencial na atuação da Superbid.


O que se pode esperar da empresa para os próximos anos em relação às necessidades dos clientes?


Evolução contínua. Zona de conforto não combina com a gente. Temos novidades todos os meses porque ouvimos com muita atenção os feedbacks de nossos makers e takers. Nossa jornada está sendo construída junto com eles. Há muita oportunidade e estamos focados em ser o melhor lugar para makers liquidarem bens que desejam fazer circular e, ao mesmo tempo, sermos simples, divertidos e parceiros para os takers.


De fato, nascemos inovadores e continuamos inovando. Acreditamos que, ao mesmo tempo que executa seu modelo presente de negócio, toda organização precisa desenvolver novas capacidades.


Negócio impulsiona economia circular

Quando promove a reutilização racional e consciente de ativos usados, a Superbid está incentivando a economia circular, tão importante para as metas de redução das emissões e para as políticas ESG das empresas. Torna-se, assim, um instrumento da nova economia digital e circular - não por acaso, a hashtag que sintetiza sua atuação é #botapracircular.


"Nosso impacto na economia circular é gigante. De tratores a equipamento industrial, de terrenos a prédios inteiros, de jet ski a navios-petroleiros, de estoque que sobrou na empresa a itens devolvidos, tudo encontra novos donos", enfatiza Pedro Donati, VP de Plataforma da Superbid.


Ao realizar a missão de possibilitar que os bens ganhem uma nova vida, a Superbid oferece oportunidades tanto para quem vende quanto para quem compra. Trata-se de uma dinâmica que se adapta bem às oscilações da conjuntura econômica. Se o momento econômico não é dos melhores, a Superbid é o ambiente ideal para liquidar ativos de negócios que fecharam as portas ou estão em processo de desinvestimento - permitindo, assim, a recuperação de algum caixa em um momento difícil na vida do empreendedor.


Quando a economia vai bem e mais negócios nascem no País, empreendedores recorrem à plataforma para encontrar equipamentos e materiais de produção necessários para começar com menos investimentos.


Por: Estadão Blue Studio


Pensando em investir em máquinas e implementos agrícolas? Confira as opções disponíveis no Agrobid Marketplace!




1/91